Organização pede ao Presidente, Assembleia Nacional e PGR que “pare com as perseguições”

Organização pede ao Presidente, Assembleia Nacional e PGR que “pare com as perseguições”

2. Maio 2022 0 Por Araújo

Sindicato dos Médicos de Angola denuncia “caça às bruxas” contra grevistas


Organização pede ao Presidente, Assembleia Nacional e PGR que “pare com as perseguições”

O Sindicato Nacional dos Médicos de Angola (SINMEA), denunciou nesta quinta-feira, 28, o que chama de caças às bruxas contra os médicos grevistas, mesmo após suspensão da grave.

O presidente da organização, Adriano Manuel, afirma que os médicos que aderiram à greve estão a ser proibidos de regressarem aos seus postos de trabalho.

Ele apela aos órgãos de justiça que intervenham para acabar com as perseguições.

“Não podemos compreender por que a ministra da Saúde orienta os directores de hospitais a suspenderem a formação dos médicos apenas por terem aderido à greve, passando guias de regresso aos hospitais de origem por apenas terem participado do acto”, afirmou Manuel, quem disse ter escrito ao Presidente da Republica, à Assembleia Nacional, e à procuradoria Geral da República, para que “parem com estas perseguições”.

O sindicalista denunciou também a existência de um plano contra os grevistas por parte do partido no poder.

Médicos em greve em Angola

Médicos angolanos voltam ao trabalho para impedir que mais gente morra

“O MPLA gizou um plano, no sábado vai organizar uma manifestação com cartazes contra o Sindicato Nacional dos Médicos de Angola”, revelou Adriano Manuel.

A greve dos médicos começou em Março para exigir ao Governo o cumprimento do caderno reivindicativo, o que, segundo o sindicato, nunca aconteceu.

Médicos em greve, Angola

Veja Também

Angola: Movimento grevista declara “guerra” ao Governo que reage com suspensão de salários

O Executivo disse que tinha cumprido o acordado e anunciou o corte de salários dos profissionais que aderiram à greve.

Nesta semana, os médicos regressaram ao trabalho porque, como disse Adriano Manuel, muitas pessoas estão a morrer.

Entre as reclamações pendentes no caderno reivindicativo constam a melhoria salarial, a segurança dos profissionais da classe, a melhoria do sistema de saúde, a melhoria da assistência primária, a humanização dos serviços e a transparência, entre outras.