Uma continência a estes dois mestres filhos de Angola!

Uma continência a estes dois mestres filhos de Angola!

10. Maio 2022 0 Por Araújo
Em 2012, quando o Dr Abel Chivukuvuku e pares criaram a maior coligação de partidos de África quiçá do mundo, muitas foram as vozes contrárias que se opuseram que Abel Chivukuvuku,criasse um partido ao invés de uma coligação de várias ideologias. Ou seja, muitos questionaram o porquê que Abel criara uma coligação se tinha capacidade e popularidade para criar um partido?
Resposta abaixo.
Nomes como Abel Chivukuvuku e outros proeminentes foram das principais razões da alteração da constituição da República em 2010.logo, a estratégia sistemática era e continua ser exatamente esta, colocar cidadãos como o Dr Abel Chivukuvuku,e outros que possam surgir, a reboque de partidos políticos onde a criação dos mesmos está controlado pelo seu sistema ditatorial. Logo, esta luta contra injustiças nas instituições não deveria ser somente do Man Chivas, e uns poucos mas sim, da sociedade em geral, porque está os direitos de todos os cidadãos em jogo. Infelizmente assistimos vários cidadãos lúcidos que poderiam ter feito alguma coisa,infelizmente continuam impávidos e com espírito “de isso, não me interessa é luta deles”. Quanto aos partidos DA oposição que o seu principal valor deveria ser a solidariedade onde há injustiças,continuam a esfregar as mãos de contente ao pensar que irão governar um dia Angola sozinhos. Este país já ninguém governará com maioria,temos todos de ser parte.Percebi vez mais, que nestes partidos DA oposição não há renovação de pensamento seja velhos ou jovens são iguais no pensamento e não têm vocação para liderar o país; Sua luta é inexplicável e sem razão de ser, porque há dias, em conversas com o amigo dirigente de um partido DA oposição, questionei-lhe! Assim vocês estão mesmo assistir e consentir estas manobras que violam não os direitos do mano Abel mas sim de todos cidadãos pelo TRIBUNAL CONSTITUCIONAL, ficam mesmo calados?
Respondeu-me o jovem dirigente: acredita meu irmão: nós, especialmente o meu presidente está muito solidário com o que o tribunal está a fazer convosco. Pus -me a rir da mentalidade limitada do dirigente partidário primeiro por ele ter dito que estão solidários com o que o tribunal estar a fazer #convosco#” aos invés de connosco ele incluído, porque a não ser travado é o mesmo tribunal que fará igual com os resultados eleitorais que se avizinham; Depois, ri-me mais, por ele ter dito que o seu presidente está solidário.Eu,dado o nível de amizade que temos perguntei -lhe: que valor tem o seu presidente estar solidário connosco e continuar em silêncio da mesma injustiça que vão ser alvos muito brevemente ? Simplesmente pos-se a rir da própria ignorância 😂😂😂😂😂, acabamos a pequena conversa a sorrir da nossa própria ignorância.
Muito embora, é característico nos angolanos reconhecerem os feitos de alguém de bem muito tarde. Aconteceu com o mestre Dr Jonas Savimbi, foi o primeiro a ser incompreendido e julgado por muitos que hoje o têm como ídolo, herói ou guia, não sei qual é o valor que acrescenta cidadãos o reconhecerem somente agora! Falta de visão? Processar lentamente ou comprovadamente característico no nosso ADN?
Entra Lourenço, Adão de Almeida ou outro actor da mesma casta, o regime é o mesmo vai continuar a violar os direitos do cidadão para se perpetuar no poder mesmo incopetente. Se nós cidadãos ” lúcidos ” continuarmos com a mesma forma de pensar e agir consentiremos mais quatro décadas de poder ao invés de meia. Escrevam!
Continuando com a reflexão.
Desde 2012,politicamente o país já não é o mesmo no ponto de vista de dinamismo político de certos actores. Teve o cidadão Abel Chivukuvuku de iniciar a nova forma de fazer política, tendo contacto directo com os cidadãos dos municípios e longas marchas depois comício em todos os 155 dos 164 que visitou de 2012 a 2018. Certamente o Dr Abel e pares não querem ficar como os inovadores disto e daquilo, querem tão somente exercer o seu direito de cidadania para cumprir e fazer cumprir os sonhos dos menos equipados.
É responsabilidade individual e colectiva resgatarmos os nossos direitos congelados pelo sistema.